sexta-feira, 30 de maio de 2008

Botox transforma vida de pacientes com espasticidade

Conhecido pelas mulheres por fazer milagres com as marcas de expressão causadas pelo decorrer dos anos, o Botox também tem sido utilizado na área de terapia neurológica. As injeções de toxina botulínica, proteína de origem biológica, começaram a ser aplicadas pela equipe do Hospital VITA Curitiba este mês para tratar a espasticidade.

O problema é caracterizado por contrações musculares involuntárias, sintoma freqüente em pacientes que têm ou tiveram complicações no sistema nervoso central, como derrames, traumatismo craniano, lesões medulares e esclerose múltipla. O tratamento pode ser feito com uso de medicamentos via oral, procedimentos cirúrgicos e, agora, também com procedimentos locais, por meio de bloqueios químicos com o Botox.

O produto é aplicado com agulhas de insulina, sem anestesia, diretamente nos músculos comprometidos, bloqueando a atividade motora involuntária e permitindo o relaxamento da musculatura local. O neurologista do Hospital VITA Curitiba, Nilson Becker, que tem dez anos de experiência no tratamento da espasticidade, alerta que a toxina botulínica não traz resultados se for aplicada isoladamente. “O Botox está inserido em um processo de reabilitação. É importante que o paciente faça regularmente sessões de fisioterapia ou terapia ocupacional, em conjunto com as aplicações da toxina. É com a atuação dessa equipe interdisciplinar que o indivíduo pode encontrar resultados desejáveis”, esclarece.

Os resultados do Botox são observados entre sete e dez dias após a injeção, alcançando o “pico” em vinte dias. Segundo Becker, um adulto pode receber até seis frascos de Botox, porém, é indispensável esperar pelo menos três meses para realizar uma nova sessão. Os efeitos duram em média quatro meses, podendo se estender por um período maior. Após esse tempo, o paciente deve realizar nova avaliação para dar seqüência ao tratamento e verificar a necessidade de nova injeção do produto. Os interessados podem marcar avaliação no serviço de Neurologia do VITA Curitiba, pelo telefone (41) 3315-1908.
Atenção: O contacto é do Brasil.
Fonte: paranashop.com.br

2 comentários:

Anónimo disse...

acredito que o uso do Botox pode ajudar muito os pctes com EM porem para este tipo de patologia não vejo muitos trabalhos a respeito por isso gostaria de saber mais trabalho com portadores em uma instituiçãO E SOU FISIOTERAPEUTA e muito oportuno este tipo de informaçao.

Telmo disse...

Se me deixares um mail posso-te enviar informação, pois tenho um amigo que ia fazer recentemente um tratamento com o Botox para poder conseguir trabalhar a massa muscular.

euthymus@gmail.com.